sexta-feira, 27 de maio de 2016

...

Quando uma pessoa quer ser amada de uma forma que sabe que ninguém a sabe amar, o que é que faz?.. Luta pra mudar ou desiste?.. Hoje não sei responder... Quero acordar amanhã e ser outra pessoa. Pra saber a resposta. Quero acordar amanhã e sentir-me amada dessa forma. Ou pelo menos não me importar. Quero que hoje seja um desvario do sistema. Quero que amanhã seja outro dia, e não o mesmo. Até amanhã.

segunda-feira, 14 de setembro de 2015

"Hoje somos tu e eu, e uma chávena de café ao pôr do sol numa praia qualquer. Porque hoje eu posso. Porque hoje o céu abriu e o sol está mais lindo do que nunca. E hoje foi mais um dia em que me procuraste. E hoje eu digo-te que sim. Sempre tive vontade de dizer-te que sim. Apenas tinha medo de não ser capaz de levantar a cabeça e olhar-te nos olhos. Mas hoje quero olhar-te nos olhos. Hoje quero dizer-te que quero ser tua amiga. Quero que caminhes do meu lado. Chega disto, não achas? Hoje é o dia. Vamos tomar o nosso café e lembrar-nos com um sorriso no rosto o que deixámos para trás. Conversar sobre tudo e sobre nada. Rirmo-nos do cão que puxa o dono pela trela, do jeitoso que está a exibir-se com o seu corpo musculado mesmo à nossa frente. Da senhora que fala muito alto ao telemóvel na mesa ao lado. E sorrir quando virmos aquele casal de velhinhos de mão dada a passear com o seu casal de caniches, ou mesmo aquele casal de adolescentes na flor da paixão. Vamos apenas desfrutar. De tudo o que ainda temos para descobrir. Chega de lágrimas, chega de queixas e lamúrias. Afinal, a vida pode mesmo ser linda. E sabes? Hoje apeteceu-me mesmo chorar. Várias vezes. Umas de tristeza, outras de felicidade, outras nem sei bem porquê. Mas a realidade é que o dia já acabou, e agora vou só beber o meu copo de leite e deitar-me a dormir... E o dia não se resume a mais do que isto. Chorar sabe-se lá porquê, rir sabe-se lá quando. E no final, apenas fechar os olhos, dormir e esperar que o dia seguinte chegue. E depois o seguinte, e o seguinte, e o seguinte... E daqui a nada não há mais seguintes... E passa tudo tão rápido, não é? Então... Vamos apenas tomar o nosso café, pode ser? E ver o mar mais uma vez. E sentir-lhe o cheiro misturado com o do café. Pode haver coisa melhor?"

segunda-feira, 7 de setembro de 2015

Cura

Pega num bisturi e corta o que está a mais. Passa um bom desinfetante no sítio e à volta, para que não restem vestígios. Aplica agora o betadine. E não te esqueças de pôr primeiro umas compressas. Por fim, podes colocar uma boa ligadura elástica e termina com um bom adesivo. E não deixes que mais nenhum lixo entre. Cura o teu coração. Porque ninguém o vai curar por ti. Não vale a pena pegares no carro e ires ao centro de saúde, porque garanto-te que nenhum médico ou enfermeiro vai ter um diagnóstico fiável para essa doença. Essa ferida tão profunda que quase permite ao teu coração ser cuspido para fora do peito. Não há outro remédio senão seres tu a curá-la. E com o tempo vais aprender qual o melhor tratamento. Até lá limita-te ao básico. Não precisa ser perfeito. Precisa resultar por enquanto. Se precisares usa umas talas para te amparar enquanto não arranjas nada melhor. Porque vais encontrar. Vais aprender a lidar com as tuas feridas e a saber qual é o melhor anti-inflamatório, ou mesmo quando precisares, qual é o melhor analgésico. E não é nada que te mate, por enquanto. Não são essas feridas que te vão matar. Pelo contrário. Quando bem tratadas, essas feridas gerarão cicatrizes que te farão lembrar com orgulho como foste forte no passado. E como conseguiste curar-te sozinho. E não há melhor que uma cicatriz com orgulho. Um dia vais perceber...

sábado, 30 de maio de 2015

.

Esventra-se de cada vez que alguém lhe toca, mas ainda assim sobrevive para passar o resto da vida a atormentar-nos. Persegue cada lágrima e escreve cada dor. Aperta-se de uma maneira muito miudinha para nos mostrar que está lá, cada vez que sorrimos de verdadeira felicidade. Para nos mostrar que na verdade aquela felicidade não dura para sempre e que, mais cedo ou mais tarde, virá aquela dor novamente. Culpa-se e culpa-nos. Como que "não és feliz porque não queres ser". E nós queremos ser. E agarramo-nos a essa mentira chamada esperança. Mentira porque apenas nos engana. Porque nunca sabemos que vai ficar tudo bem. Apenas somos iludidos com a mera possibilidade de isso acontecer. E agarramo-nos com toda a força, ainda assim. Até que cansa... Até que dói... Até que não faz sentido agarrarmo-nos mais. E aí, lá vem ele, novamente, com todos os pontos de interrogação, e não nos deixa desistir. E obriga-nos a continuarmos a agarrar-nos àquela ilusão. E qualquer sinal de que vai ficar tudo bem é como que uma avalanche que nos empurra para a frente, para imediatamente a seguir sermos derrubados por um trenó apressado, que nos passa por cima, e nos esborracha uma vez mais... É assim que funciona o coração. Ilude-nos com isto a que chama vida, e no entanto não pára de se ferir. E de nos ferir. E isto está longe de ser justo. Porque devia obrigar-nos a agarrarmo-nos apenas àquilo que nos faz bem, e que nos promete felicidade. Verdadeira. Não aquela ilusória que a esperança nos jura. Até ser feliz dói. Dói sentirmo-nos impotentes. E dói muito sentirmo-nos esquecidos... Ultrapassados... Vencidos pela vida que nós próprios construimos. Dói sentirmo-nos um zero nesta merda de vida. Nem na nossa vida podemos decidir ser aquilo que quisermos. O coração não deixa. Puta que pariu o coração.

sábado, 16 de maio de 2015

Um dia nada estará mais aqui... Um dia não vamos mais ver o mar, nem cheirar as flores, nem ouvir os cães a ladrar, os pássaros a cantar ou os grilos a grilar... Um dia não vamos mais querer berrar com alguém de tanta raiva, ou rir de tanta felicidade. Um dia não vamos mais caminhar pelo meio da serra, nem ter medo das cobras no verão. Um dia não vamos mais fazer uma coleção de quinquilharia a que já ninguém liga, menos nós. Um dia não vamos mais deitar-nos às 3h da manhã, ligar o computador e ainda ver aquele filme antes de dormir. Um dia não vamos mais ficar chateados por andar à chuva, porque o guarda-chuva decidiu partir a vareta. Um dia não vamos mais importar-nos com alguém que decidiu dizer adeus naquele dia em que tanto precisávamos que estivesse lá. Um dia não vamos mais rir-nos daquele destrambelhado da turma que adormecia nas aulas, e caía no recreio, ou daquele que fez xixi nas calças, ou do outro que partiu um dente, à cabeçada com o outro. Um dia não vamos mais chorar pelo arranhão que fizemos no joelho quando caímos na rua, ou envergonhar-nos desse mesmo momento. Um dia não vamos mais arrepender-nos de responder torto ao chato do homem que estava a vender pulseiras na rua para a Sorriso. Um dia não vamos mais gozar com os nossos irmãos mais novos, que ainda estão numa descoberta incessante do que é a vida e do que ela traz, ou dos mais velhos, que estão a ficar velhos demais para aquelas sessões de luta livre em cima da cama dos pais, ou que perdem sempre a jogar consola. Um dia não vamos mais ouvir aquela música no carro e cantá-la em altos berros enquanto as pessoas que passam acham que somos loucos (e somos). Um dia não vamos mais sair com os amigos para a discoteca, e rirmo-nos daquele triste bêbedo que passa a noite a tentar encontrar a mulher da sua vida. Um dia não vamos mais marcar aquele cafezinho com sabor a felicidade. Um dia não vamos mais reclamar com a nossa mãe que não sabe onde está aquela NOSSA camisola amarela do Spongebob que já não usamos há 10 anos, mas naquele dia queremos mesmo usar. Um dia não vamos mais ter mãe. Nem camisola do Spongebob. Nem poderemos tomar café. Nem teremos mais amigos. Nem ouviremos mais música. Nem jogaremos consola ou lutaremos luta livre. Nem passaremos pelo homem chato da Sorriso. Nem cairemos na rua. Nem teremos aulas ou recreio. Nem andaremos à chuva. Nem nos deitaremos às 3h da manhã. Nem teremos coleções. Nem andaremos no meio da serra. Nem conseguiremos rir ou chorar. Nem saberemos o que é o mar, os grilos ou as flores. Um dia apenas cheiraremos a comida sem sal ou gordura de um hospital, veremos o edifício degradado onde tantos morrem a cada segundo e ouviremos o último pi da nossa vida. Incessante e penetrante. Ou então nem ouviremos nada, ou cheiraremos nada, ou tocaremos nada. E um dia só choraremos porque estamos a morrer e não fizemos nada. Ou pelo menos não o suficiente. Por isso, lutemos. Pela vida. Por mim e por ti. Até ao último pi.

domingo, 3 de maio de 2015

A vida é uma merda. Seria hipócrita se dissesse que a vida é linda e cheia de unicórnios e fadas e princesas. Não. A vida é uma merda. E no entanto, a ironia é que a vida também é a melhor coisa que temos. Mesmo que sendo uma merda. E há dias em que eu acordo e penso "A minha vida é uma merda tal, que nem sequer me vou levantar para a enfrentar." E não me levanto... Voltar a dormir é a melhor forma de nem sequer se pensar na merda que é a vida. E nem sequer me ocorre que, além de perder a merda que aquele dia poderia ser, também perco um dia da minha vida, que no fundo é o melhor que tenho.
Não gosto de me gabar. Pelo contrário. Ultimamente até me apercebi que sempre me rebaixei mais do que aquilo que devia. Sempre achei que a minha vida era uma merda maior que a vida dos outros. Admito: sou uma criança. Pelo menos tenho a inocência de uma. Tenho tentado consciencializar-me que crescer é significado de acordar para a vida. De perceber o que me passa mesmo ao lado... Mas apesar de perceber tudo isso, não o faço. Por razão nenhuma. Apenas tapo os meus ouvidos e grito em voz alta para mim mesma "A minha vida é uma merda." E pronto... Faço a birra de uma criança de 3 anos que quer o chupa chupa que está a venda ao pé da caixa do supermercado.
Hoje não me vou rebaixar, ou vitimizar, ou dizer que a vida é uma merda (apesar de o ser, efetivamente). Às vezes não sei se acredito em Deus ou não. Acho que isto é porque vivemos tão cegos, que não nos apercebemos que a vida não é feita de ajoelhar-se à noite e rezar três pais-nossos à espera que no dia seguinte os nossos desejos sejam realizados. Vivemos numa constante busca de alguma coisa que nos faça sentir alguma coisa. E o que acontece é que sentimos. Sentimos raiva e revolta, porque nunca estamos bem. Por muito felizes que nos sintamos num segundo, no segundo seguinte já estamos a sentir-nos mal, porque pensamos naquele dia, naquele momento, naquela pessoa, naquele lugar... Num segundo afirmamos com toda a segurança que estamos felizes e que nada nos pode mudar a felicidade, e no segundo seguinte já estamos novamente a lembrar-nos de como a nossa vida é uma merda, e de como somos infelizes, e de como nada do que nós queremos se realiza, e de como já sofremos, e de como e de como e de como... É sempre esse segundo seguinte que nos pega num bocadinho de cérebro e ata um nó tão perfeito, que acabamos por ficar sem saber como desamarrá-lo sem o destruir por completo... Então... Porque não parar no segundo anterior? Hoje parei. Hoje lembrei-me não de como sou infeliz, não de como tenho azar, não de como a minha vida corre mal. Hoje lembrei-me que tenho uma vida pela frente para ser feliz, para ter sorte, para construir uma vida. Não o devo a mim. Devo-o a esta mesma vida. Que me tira com uma mão, mas me dá com a outra. Ou se calhar sempre me deu... E eu, egoísta como o ser humano deve ser, nunca pensei tanto nisto. Hoje fiz um brinde. Às pessoas. Às minhas pessoas. Àquelas que, mesmo na sombra, nunca deixaram de me dar a mão. Às que me dão o colo para eu chorar, às que me ouvem quando só digo porcaria, às que simplesmente me calam com os olhos, porque não é preciso dizer-se mais nada. Às gargalhadas, às conversas, aos momentos em que percebo que a minha vida é fantástica. Aos momentos em que percebo que tenho os melhores. Aos momentos em que pensei que a vida é uma merda, para poder valorizar os de agora. Obrigada. Pelas surpresas, pelo mimo, pelos sermões e missas cantadas, pelos conselhos, por tudo o que agora nem sei escrever. Um brinde à vida, que é a melhor merda que se pode ter. A nós, a todos como nós, e o resto que se foda.

segunda-feira, 16 de fevereiro de 2015

Quando dou por mim...

Sou assim, imperfeita. Acredita naquilo que te digo. Mentiria se dissesse o contrário. Sou assim, imperfeita. Corro atrás do que me faz rir às gargalhadas, ainda que possa ser a circunstância mais ridícula que já viste. Choro. Choro muito, quando (tudo) me magoa. E tudo me magoa. E tudo me faz rir às gargalhadas. Tenho dois extremos gigantescos. Porque sou imperfeita. Não vivo pelo meio-termo. Ou sim, ou não. Ou tudo, ou nada. Quero morrer um dia com a consciência de que disse tudo o que sentia, de que vivi tudo o que queria. Ou então com o peso de não o ter feito, porque não. Sem razão aparente. Apenas porque não.
Não gosto de te dar explicações por sentir coisas... Sinto as coisas, e pronto. Não me peças que te explique. E tenho de to dizer quando sinto. Quando quero. E não compreendes o porquê de não te querer compreender. De não compreender o porquê de não me compreenderes. Compreendes isto? Não... Claro que não... Não me sei expressar de melhor forma... Perdoa-me por isso. Tenho-te escrito na pele. A caneta de tinta permanente. Só queria que me tivesses a mim também. Mas isto é porque sou imperfeita. E porque não sou como tantas e tantas outras pessoas que vejo passar na rua. Monocórdicas na voz e no coração. Sem mudança de expressão. Lívidas de uma forma que transparecem tudo o que sentem. Que é nada. Não sentem nada, a não ser conforto por terem, ou revolta por não terem. Mais nada além disso. Não sei ser assim. Nunca me ensinaram. Eu sinto. E ainda que não sinta, imploro por sentir. Porque me sinto viva, além de morrer por dentro. Mas isso é, talvez, porque sou assim, imperfeita.
E a cada palavra que escrevo as minhas mãos tremem. Porque não quero falar. Não quero dizer... Mas preciso. Quero fazê-lo. Quero e não quero. Já não sei bem... Sei que te quero. Só isso. Sei que te quero. Mas sou imperfeita demais para to dizer, tantas vezes... Talvez até para to mostrar. Sinto uma turba dentro da minha cabeça. O meu cérebro é espezinhado a cada segundo por centenas de mini pessoas ou coisas que correm em tumulto para me darem ordens. E tantas vezes não sei quais devo ouvir. É porque sou assim, imperfeita. Perdoa-me por isso também. Preciso de ti. Preciso que me envolvas nesse abraço eternamente. Preciso que faças de mim parte de ti. Preciso que me escrevas. A tinta permanente também, como eu te escrevi. Sabendo que sou assim, imperfeita. Preciso que sejas o motivo. O meu motivo. Perdoa-me por te dar este cargo, mas é porque o és. És o meu motivo, e preciso que o sejas, sempre. Fica comigo. Dorme ao meu lado, e acorda ao meu lado. Enche-me de ti, todos os dias. Enche-me de ti. Sufoca-me de ti. Amo-te.